x

Press Releases: a opção de colocar itens como título, linha fina, links, imagem, vídeo etc.

3 portais é o mínimo que garantimos.

Evento marca o início das obras da Ferrovia de Integração Centro-Oeste


As obras da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO) começarão, oficialmente, neste Setembro Ferroviário. A cerimônia que marcou o início do empreendimento aconteceu nesta sexta-feira (17/9/2021) em Mara Rosa/GO e contou com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, do diretor-presidente da Valec, André Kuhn, e de outras autoridades.
 
A formalização das obras da FICO teve início em dezembro de 2020, na B3, quando a Valec, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a Vale assinaram contrato para que esta última execute as obras, utilizando recursos privados a partir do investimento cruzado. “É a primeira vez que é feito o investimento cruzado no âmbito federal. Com isso, os entes privados têm a oportunidade de dar uma contrapartida através da execução das obras. Agradeço a Vale por ter acreditado neste empreendimento”, disse Kuhn durante a solenidade. O presidente da Vale no Brasil, Eduardo Bartolomeu, afirmou ser um privilégio fazer parte desta iniciativa inédita. “Assumimos aqui um novo pacto com o Brasil”, declarou.
 
Sobre a iniciativa do investimento cruzado oriundo da antecipação de outorgas, Freitas afirmou: “muitos achavam impossível usar recursos de renovações antecipadas para fazer novas ferrovias. Hoje, um dos projetos mais importantes do Brasil é a Ferrovia de Integração Centro-Oeste.”
 
Ao encerrar a solenidade, o presidente Jair Bolsonaro lembrou que, com a futura conexão da FICO com a Ferrovia Norte-Sul (FNS), que acontecerá em Mara Rosa/GO, será formado um grande corredor ferroviário, que propiciará a redução do custo do frete. Assim, o produto que chega ao consumidor final poderá ser barateado. Ainda segundo Bolsonaro, “nós temos uma grande nação. O ressurgimento do modal ferroviário era sonhado por muitos neste país. Tivemos a confiança da iniciativa privada, que nos permitiu alavancar obras.”