ONU: Israel e grupos palestinos podem ter cometido crimes de guerra em 2014

  • Postado dia 22 de Junho de 2015

Israel e grupos armados palestinos podem ter cometido crimes de guerra durante o conflito na Faixa de Gaza, em 2014, informou a Organização das Nações Unidas (ONU) em um relatório divulgado hoje (22), em Genebra.
 
A Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre o conflito reuniu “informações substanciais que apontam para possíveis crimes de guerra cometidos por Israel e pelos grupos armados palestinos”, informa o relatório, solicitado pelo Conselho dos Direitos Humanos da ONU.
 
Pelo menos 2.140 palestinos, dos quais 1.462 civis e um terço formado por crianças, além de 73 israelenses, a maioria soldados, morreram no conflito de sete semanas de julho para agosto de 2014.
 
“A extensão da devastação e o sofrimento humano em Gaza foi sem precedentes e terá impacto sobre as gerações futuras”, disse em comunicado a presidenta da comissão e juíza de Nova York, Mary McGowan Davis.
 
O documento relata o poder de fogo usado em Gaza. No período, Israel promoveu mais de 6 mil ataques aéreos e disparou 50 mil projéteis de artilharia durante os 51 dias da operação. Os grupos armados palestinos dispararam sobre Israel, no mesmo período, 4.881 mísseis e 1.753 morteiros. Seis civis morreram e pelo menos 1,6 mil ficaram feridos.
 
A ONU denuncia “a impunidade que prevalece em todos os níveis” no que se refere à ação das forças israelenses e apela ao país para “inverter o lamentável histórico” e julgar os responsáveis. A organização lamenta também que as autoridades palestinas tenham “falhado sempre” na condução à Justiça dos que violam as leis internacionais.
 
A comissão expressa a “preocupação com a ampla utilização, por Israel, de armas letais num importante raio”, criticando igualmente o disparo indiscriminado de milhares de foguetes por palestinos visando a espalhar o terror entre os civis israelenses.
 
Israel opôs-se vivamente à decisão de realização dessa investigação e não permitiu à comissão de inquérito da ONU deslocar-se ao local. A comissão recolheu os testemunhos dos dois lados por teleconferência ou por telefone. O presidente da comissão demitiu-se por pressão de Israel, retardando a publicação do relatório de março para junho deste ano.

Fonte: Da redação (publicobrasil.com.br), com Agência Brasil da Agência Lusa

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia