Ashton Carter quer reforço da segurança no Leste europeu

  • Postado dia 22 de Junho de 2015

O secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter, afirmou hoje (22), em Berlim, que a possível instalação de armamento pesado norte-americano no Leste da Europa será um passo importante para responder a uma eventual agressão russa. O objetivo é tranquilizar os países bálticos e outros países da Europa que estão preocupados desde a anexação da Crimeia, pela Rússia, e o início dos combates no Leste da Ucrânia, onde separatistas pró-russos contestam a autoridade de Kiev.
 
Os Estados Unidos admitiram que estão para instalar armamento pesado na região e reforçar o apoio à formação das forças locais. “É algo que estamos considerando e que vamos discutir com os nossos parceiros”, disse Carter. O secretário de Defesa dos Estados Unidos está visitando países europeus, nesta semana, com passagens pela Alemanha, Estônia e Bélgica.
 
Em Bruxelas, Ashton Carter participará, quarta (24) e quinta-feira (25), da reunião dos ministros da Defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).
 
“O plano é ter equipamentos, principalmente para apoiar os exercícios, que estejam já localizados na região, incluindo equipamento pesado”, disse Ashton Carter, que assumiu a liderança do Pentágono em fevereiro. “Existe a possibilidade também de instalar mais equipamento para as contingências”, acrescentou o secretário.
 
Sem fornecer mais detalhes, Carter afirmou que Washington pretende tranquilizar os parceiros da Aliança Atlântica no Leste da Europa. “Se vamos aumentar a resiliência da Aliança e particularmente dos parceiros que estão na fronteira com o território da Aliança, isso é uma coisa importante”.
 
A Polônia, por meio do seu ministro da Defesa, Tomaz Siemoniak, confirmou conversas com Washington para a instalação de armamento pesado norte-americano em seu território.
 
Nos últimos dias, o tom belicista entre a Rússia e os Estados Unidos aumentou, com Moscou prestes a anunciar o reforço do seu arsenal nuclear, com 40 mísseis balísticos intercontinentais, e garantir que tem mais de dez batalhões de paraquedistas prontos para atuar dentro ou fora do país para repelir uma ameaça externa.
 
Já o secretário-geral da Otan anunciou hoje a intenção de mais que duplicar a dimensão da chamada Força de Reação Rápida, criada em 2002, já reforçada há um ano com uma força de reação muito rápida para o Leste europeu.
 
“Os ministros da Defesa da Otan vão decidir aumentar ainda mais a estrutura e a capacidade da Força de Reação entre 30 mil e 40 mil tropas, mais do dobro do tamanho atual”, disse Jens Stoltenberg sobre a reunião de ministros de quarta e quinta-feira, em Bruxelas.
 
A Força de Reação Rápida foi criada pela Aliança Atlântica, constituída por cerca de 13 mil tropas, para permitir um destacamento de forças mais rápido que o habitual em situações de crise.
 
Em 2014, contudo, o conflito na Ucrânia e a anexação da Crimeia, pela Rússia, mostraram a necessidade de uma força ainda mais rápida, levando à criação, na Reunião de Gales, de uma força de reação muito rápida – a Força Conjunta de Elevada Prontidão –, constituída por 5 mil tropas capazes de se deslocar em dias e não meses.
 
Stoltenberg afirmou que a aliança está conseguindo rápidos progressos na constituição e capacitação dessa força de vanguarda. “Essas são decisões importantes, parte da adaptação da Otan a um novo ambiente de segurança”, disse o secretário-geral.

Fonte: Da redação (publicobrasil.com.br), com Agência Brasil da Agência Lusa

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia