Para conter bactéria multirresistente DF anuncia Plano Enfrentamento da Resistência Bacteriana

  • Postado dia 10 de Junho de 2015

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (DF) apresentou o Plano de Enfrentamento da Resistência Bacteriana nas Áreas Críticas dos Hospitais Públicos do Governo do Distrito Federal para conter a proliferação de bactérias multirresistentes. O documento prevê medidas como o aumento do rigor na higiene dentro de hospitais públicos e uso racional de antibióticos.
 
“Precisamos trabalhar firmemente nas questões que visem ao uso racional de antibióticos, à garantia de insumos de limpeza, ao controle de limpeza das mãos, a evitar o contato com pacientes infectados, [que] precisam ficar isolados”, disse o secretário de Saúde, João Batista de Sousa.
 
O secretário admitiu que a rede pública do DF passou por um desabastecimento de produtos de limpeza, mas nega que isso tenha contribuído para a situação enfrentada nos hospitais, uma vez que, segundo ele, não houve aumento do número de casos de infecção nos últimos anos. Com relação às quatro mortes no DF, o secretário ressaltou que não é possível dizer que foram decorrentes de bactérias  multirresistentes. “Essas pessoas que faleceram eram idosas, inclusive pacientes com doença respiratória grave, doença cardíaca. Elas tinham a presença da bactéria, mas nenhum dado indica que  morreram em decorrência da bactéria”, destacou.
 
Em abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez reunião com a secretaria e, desde então, a equipe vem trabalhando no plano. A equipe detectou inicialmente que algumas medidas tinham sido “afrouxadas”. Por isso, é preciso apertar com relação à prevenção e controle, disse Sousa.
 
Outra ação prevista diz respeito à presença de farmacêuticos nas equipes. Segundo o secretário, colocar os farmacêuticos clínicos nas enfermarias é muito importante para o uso correto de produtos antimicrobianos, a diluição e as dosagens corretas, além da aplicação no momento correto.
 
A partir de agora serão feitos exames de rotina em unidades de tratamento intensivo e áreas críticas para identificar pacientes colonizados – que estão com as bactérias, mas não apresentam sintomas. O secretário admitiu que faltam alguns antibióticos na rede pública, entre eles alguns tipos de penicilina, mas revelou que os medicamentos estão em processo de compra. “Posso dizer que faltam antibióticos, mas posso dizer que faltaram esses antibióticos em outras épocas, e é linear. Não houve aumento. Não estamos com a situação agravada em relação ao que vem ocorrendo nos últimos quatro anos”.
 
O secretário disse que o DF passa por uma endemia e que não há motivo para a população temer ir aos hospitais públicos. Hoje, sete pacientes estão isolados em quatro hospitais regionais: em Taguatinga, noo Guará, em Santa Maria e em Sobradinho.
 
As bactérias multirresistentes, popularmente conhecidas como superbactérias, são organismos resistentes à maioria dos grupos de antibióticos disponíveis no mercado. O corpo humano tem várias bactérias, mas, com a ingestão de antibióticos, algumas se tornam resistentes e se multiplicam, provocando infecções. Dessa forma, o uso indiscriminado de antibióticos é uma das causas do surgimento das superbactérias.

Fonte: Da redação (publicobrasil.com.br), com Agência Brasil

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia