Supremo inicia julgamento sobre biografias não autorizadas

  • Postado dia 10 de Junho de 2015

O Plenário do Supremo Tribunal Federal julga na sessão desta tarde a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4815, que discute a necessidade de exigência de autorização prévia para a publicação de biografias. O tema foi objeto de audiência pública realizada com a participação de 17 expositores, em novembro de 2013.
 
A ação, que está sob a relatoria da ministra Cármen Lúcia, foi ajuizada pela Associação Nacional dos Editores de Livros (Anel) em 2012 e questiona o alcance da interpretação dos artigos 20 e 21 do Código Civil. Segundo a Anel, os dispositivos conteriam regras incompatíveis com a liberdade de expressão e de informação.
 
Assim, a entidade requer interpretação conforme a Constituição Federal dos dispositivos questionados, de forma a afastar a necessidade de consentimento da pessoa biografada para a publicação de obras literárias. Após a leitura do relatório pela ministra Cármen Lúcia, o autor da ação, o Ministério Público e os representantes das entidades admitidas como amigas da Corte (amici curiae) apresentam suas manifestações perante o Plenário.

Fonte: Da redação (publicobrasil.com.br), com STF

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia