Torcida organizada do Internacional tem atividade suspensa

  • Postado dia 08 de Junho de 2015

O jogo entre Internacional e Coritiba realizado no domingo, 7/6, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, válido pelo Campeonato Brasileiro, teve duas ocorrências registradas no Juizado do Torcedor e Grandes Eventos. Como conseqüência, a torcida organizada Nação Independente está temporariamente impedida de atuar durante os compromissos do clube gaúcho, enquanto dois torcedores terão de cumprir medida cautelar ficando afastados de jogos do Internacional. No segundo incidente atendido, por desacato, o envolvido também fica impedido de assistir a partidas do time colorado.
 
Atos de violência
 
O caso mais grave aconteceu no pátio do estádio, entre as torcidas organizadas Nação Independente e Guarda Popular, apontadas por atos de violência que resultaram em um segurança do clube lesionado e um torcedor agredido até ficar inconsciente (ele foi atendido pelo serviço de ambulância e, após recobrar-se, encaminhado a atendimento especializado).
 
Após assistir às imagens captadas pelas câmeras de segurança do estádio, e levando em conta o depoimento do representante do Internacional responsável pelas torcidas organizadas, o Juiz do Juizado do Torcedor, Marco Aurélio Martins Xavier, reconheceu que os atos foram gerados por desavenças da torcida Nação Independente com torcedores da Guarda Popular, conflitos estes que têm vertente nas desavenças que esses grupos possuem na Região do Vale dos Sinos e que comumente dão origem a conflitos no TRENSURB e nas cercanias do estádio.
 
O juiz acolheu o pedido do Ministério Público por novas diligências para o esclarecimento dos fatos, os quais considerou terem ocorrido de forma nebulosa. Levando em conta a gravidade, aplicou medida cautelar de afastamento da torcida organizada Nação Independente, proibindo-a de atuar (com uso de indumentárias que a identifiquem e instrumentos de percussão) nos estádios onde o Internacional jogar pelo período em que perdurarem as investigações, no prazo limite de três meses. À Brigada Militar caberá a fiscalização da medida.
 
Individualmente, dois réus foram identificados como participantes nas violências e tiveram medidas cautelares aplicadas, que os afastam dos jogos do clube pelo mesmo período acima. Eles deverão comparecer à delegacia mais próxima dos domicílios onde residem no dias de jogos do Internacional pelo período entre meia hora antes do início e meia hora depois do término da partida. Dois menores também envolvidos na confusão foram encaminhados ao Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (DECA).
 
Tumulto e xingamentos
 
O outro registro apreciado pelo Juiz Marco Aurélio Martins Xavier foi o caso de um torcedor que, em relato de policial militar, causava tumulto em frente à bilheteria do estádio. Ao resistir aos apelos para deixar o local e insultar o policial, foi algemado. Acatando o pedido de transação penal do Ministério Público, o magistrado proibiu o réu de comparecer aos três próximos jogos do Internacional, ocasiões em que terá de se apresentar à delegacia.

Fonte: Da redação (publicobrasil.com.br), com TJRS

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia