A Ordem e o Progresso - por Paulo Erico Silva Castelo Branco

  • Postado dia 12 de Dezembro de 2014

por Paulo Erico Silva Castelo Branco

 

Na XXII Conferência Nacional, os advogados brasileiros reafirmaram o compromisso de defender a democracia, a cidadania e os direitos humanos. O evento realizado a cada três anos serve para reunir especialistas de diversas áreas do Direito em ambiente livre de formalidades no qual estudantes, jovens advogados e renomados juristas transmitem as suas idéias, os seus ideais e têm a oportunidade dialogar.

 

As palestras das personalidades serviram para que os ouvintes sentissem a força do conhecimento e o desejo de uma Justiça mais próxima do cidadão. No Rio Centro, cerca de 16.000 inscritos se dividiram em auditórios onde participaram ativamente das discussões, podendo questionar o palestrante e adquirir mais conhecimento.

 

Além das questões jurídicas, no evento foram homenageados advogados que se destacaram na luta incansável contra as ditaduras que nos controlaram durantes anos, violando direitos fundamentais dos cidadãos. Foram esses advogados, muitos vítimas da arbitrariedade dos usurpadores do livre pensar e da liberdade de ir e vir, que enfrentaram a repressão e o arbítrio. Alguns deles, anônimos, sucumbiram à força e desistiram de viver no país; outros, como Evandro Lins e Silva, Patrono Nacional da Conferência, não descansaram um só instante na defesa da liberdade. Hoje, Dr. Evandro estaria estarrecido com a discriminação que prolifera feito praga contra os nordestinos como ele, que sofrem com a seca, a miséria e a indiferença ou o controle imoral de governantes, democráticos ou não.

 

A resistência pacífica e rigorosa às ditaduras e ao abuso de autoridades nos regimes democráticos marcou a história da Ordem dos Advogados do Brasil que é reconhecida internacionalmente por importantes órgãos como a ONU que, recentemente, por seu Conselho Econômico e Social a declarou entidade de status consultivo especial, permitindo a OAB, entre outras prerrogativas, designar representantes oficiais para participar de eventos, conferências e atividades na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, além dos escritórios na Suíça e na Áustria.

 

Os representantes da Ordem poderão atuar como observadores em reuniões públicas do Conselho Econômico e Social e de seus órgãos subsidiários da Assembléia Geral, do Conselho de Direitos Humanos e de outros órgãos intergovernamentais.

O destaque da Conferência, com participação de advogados de várias nações, serviu, não só para aproximar culturas, como, também agregar conhecimentos do direito e do funcionamento da Justiça em outros países.

 

Vale, ainda, ressaltar a atuação advogados que se dedicam à entidade com desprendimento, abrindo as portas para acolher mulheres e homens que formam a família da Ordem dos Advogados do Brasil e que, hoje, são 850.000 atuando em todo território nacional. A profissão é uma das mais procuradas por estudantes que se qualificam por cinco anos e se submetem ao Exame de Ordem para adquirir o direito de advogar.

 

A Conferência, sob a liderança do presidente Marcus Vinicius Furtado Coêlho, não se limitou a homenagear juristas que honraram o nosso passado como Evandro Lins, Heleno Fragoso e José Ribeiro de Castro Filho, e aos advogados atuantes Paulo Bonavides e Paulo Medina; ofereceu, também, aos congressistas debate com representantes dos dois candidatos à Presidência da República, ministro Aloísio Mercadante e o senador eleito por Minas Gerais, Antonio Anastasia. Os debatedores defenderam as suas idéias com desenvoltura e deixaram a sensação de que a disputa estava empatada!

 

Sucesso idêntico foi a palestra do jornalista Lira Neto que reavivou na história do Brasil a figura do ex-presidente Getúlio Vargas. Lira Neto desnudou a vida do ex-presidente e ex-ditador mostrando aos amantes da democracia o quanto ela é desejada e ultrajada por personagens ao longo da nossa história. Valeu como alerta!

 

Por fim, para não deixar de lado a descontração do povo brasileiro, o evento culminou com espetáculo artístico do ator e cantor Thiago Abravanel que relembrou Tim Maia, um dos cariocas mais autênticos que viveu e morreu com a alegria que marca o Rio de Janeiro, nossa cidade maravilhosa.

 

Paulo Erico Silva Castelo Branco - Advogado e Presidente da Coordenação para Paz na Palestina.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com CFOAB.

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia