Mais de 38 mil pessoas privadas de liberdade participam do Enem deste ano

  • Postado dia 10 de Dezembro de 2014

Mais de 38 mil presidiários e adolescentes internados participam do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Aplicadas ontem (9) e hoje (10), as provas incluem os candidatos que, por algum motivo, tiveram testes cancelados, como foi o caso dos que fizeram o exame na Escola das Dunas, distrito de Pitangui, na cidade de Extremoz, região metropolitana de Natal, e Escola Estadual Eldah Bitton, em Manaus. Nas duas unidades, houve falta de energia elétrica.
 
No caso dos detentos, os 38,1 mil participantes do Enem deste ano representam, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mostram crescimento de 25,65% em relação à edição anterior, que registrou 30,3 mil inscritos.
 
As inscrições para pessoas privadas de liberdade foram feitas pela internet pelos responsáveis pedagógicos de cada instituição. Eles também são encarregados do acesso aos resultados, da divulgação das informações do exame aos inscritos e do encaminhamento deles ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e a programas voltados para a educação superior.
 
Este ano, mais de 6,2 milhões de candidatos fizeram as provas do Enem nos dias 8 e 9 de novembro. A nota do exame pode ser usada para participar de programas como o Sisu, que disponibiliza vagas para ensino superior público, Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas em instituições privadas, e o Sistema de Seleção Unificada do Ensino Técnico e Profissional (Sisutec), que abre vagas gratuitas para cursos técnicos.
 
O exame também é pré-requisito para firmar contratos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e obter bolsas de intercâmbio pelo Programa Ciência sem Fronteiras, além da certificação do ensino médio.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com Agência Brasil

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia