Sebrae lança Mapa Digital de Oportunidades do Porto do Rio

  • Postado dia 27 de Novembro de 2014

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro (Sebrae-RJ) está apresentando, na Feira do Empreendedor, aberta hoje (27) no Riocentro, uma ferramenta inédita, criada pelo projeto Sebrae no Porto. Trata-se do Mapa Digital de Oportunidades do Porto do Rio de Janeiro, desenvolvido para o planejamento de pequenos negócios já implantados na região portuária, ou que venham a se instalar na área. A Feira do Empreendedor se estenderá até domingo (30).
 
A coordenadora do projeto Sebrae no Porto, Flávia Guerra, informou hoje (27) que o mapa começará a atender aos pequenos empreendedores interessados em fevereiro. O mapa engloba seis bairros da região portuária em um raio de 5 milhões de metros quadrados (parte do centro da cidade, parte de São Cristóvão, Saúde, Gamboa, Santo Cristo e parte do Caju) no projeto Porto Maravilha.
 
“Capturamos todas as informações socioeconômicas de fontes oficiais, como o Censo Demográfico, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), que podem permitir ao empresário fazer um estudo de mercado e entender quais as oportunidades que ele tem”.
 
Segundo Flávia, isso funciona para empresas situadas em qualquer lugar da cidade. No porto, porém, a pesquisa foi aprimorada, tendo em vista que o local está em transformação, “porque os dados oficiais olham para o passado, e é preciso acompanhar as tendências de transformação do lugar”.
 
Uma equipe de mais de 20 pessoas coleta informações diariamente na região portuária, construindo estudos de tendências do mobiliário, do desenvolvimento das empresas. “Quando orientamos o empresário, o fazemos a partir dos dados oficiais, mas também olhando para o futuro”. Flavia informou que o empresário precisa entender que, no local onde ele está instalado, vai ocorrer uma transformação, e é necessário que saiba qual é o tamanho dessa transformação e como ela afeta o negócio dele, além de mostrar o que deve fazer para se adequar ao novo cenário.
 
“O mapa consegue reunir e simplificar a análise de um conjunto muito complexo de informações, englobando a obra que está em curso, o cronograma, questão de mobilidade urbana, prédios que estão sendo  construídos, equipamentos culturais. Isso tudo afeta o negócio dele e sinaliza em que time ele precisa andar para ir se adequando e continuar dentro da região portuária”, disse ela.
 
A preocupação do Sebrae é com a manutenção dos negócios que já existem na região portuária, e “há muitas oportunidades”, assegurou a coordenadora do Sebrae no porto. O mapa será oferecido também para os empresários que queiram se instalar na área. “Quem quer ir para o porto poderá usar esse instrumento para entender o que está acontecendo lá e planejar seu novo negócio naquela localidade”, acrescentou.
 
Nos seis bairros analisados estão instaladas 6 mil empresas formais. A previsão do Sebrae é que esse número triplique até 2016, com as obras em curso atualmente e com os novos empreendimentos que estão sendo anunciados. “Também vai aumentar a dinâmica econômica da região”, observou Flávia. Isso abrange empresas que não estão sediadas nesses bairros, mas atuam na região.
 
Em termos de empregos, a perspectiva é que o número atual de 156 mil postos de trabalho passe para 375 mil até 2026. “É um mercado crescente”, segundo ela. Do mesmo modo, existe tendência de expansão das habitações. Hoje, moram na região 35 mil pessoas. Com base em dados da prefeitura do Rio de Janeiro, Flávia Guerra disse que o total de habitantes deverá passar para 125 mil até 2016.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com Agência Brasil

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia