Combate à degradação florestal é tema de debate internacional

  • Postado dia 02 de Setembro de 2014

Especialistas de vários centros de pesquisa do mundo se reúnem esta semana em Brasília para o Workshop de Monitoramento das Dinâmicas Florestais - Estoques de Carbono, Fluxos de Gases de Efeito Estufa e Biodiversidade, organizado pelo Departamento de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB). O objetivo do encontro é avaliar a inclusão das dinâmicas florestais (degradação e regeneração) nos modelos de contabilidade das florestas e outros usos da terra.  
 
Com isso, os pesquisadores querem apoiar a criação e a implementação de políticas públicas para a conservação e gestão sustentável das florestas. O workshop começou hoje (2) e segue até o dia 4, na sede da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos, no campus da UnB. Na quinta- feira (4), a partir das 14h30, haverá uma mesa aberta ao público com a apresentação de algumas discussões do evento.  
 
Segundo a pesquisadora da UnB Mercedes Bustamante, o Brasil tem avançado no monitoramento e controle do desmatamento, mas precisa também focar nas questões de degradação e regeneração.  
 
“Que se comece a olhar as transformações na floresta, que vai perdendo as funções ecológicas com o impacto das queimadas e da extração de madeira. Olhar os aspectos de degradação, que é um acompanhamento muito mais difícil de ser feito”, explicou Bustamante.  
 
Embora já existam dados parciais sobre degradação, ainda não é possível dimensionar o impacto dessa dinâmica florestal sobre os biomas, as emissões de gases de efeito estufa e a perda de biodiversidade no território brasileiro.  
 
O desmatamento é o corte raso e evidente da floresta. Já a degradação ocorre por baixo da copa das árvores e consiste na perda de vegetação por queimadas e exploração de madeira, que é um processo mais lento, que pode ser revertido, com a regeneração da floresta, ou evoluir para um desmatamento.  
 
O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais apresentou em agosto o mapeamento das áreas de degradação florestal na Amazônia Legal para os anos de 2011, 2012 e 2013. Esse levantamento é feito pelo Projeto de Mapeamento da Degradação Florestal na Amazônia Brasileira ( Degrad), desde 2007, para identificar áreas que estão expostas à degradação florestal progressiva. As imagens de satélite, com áreas mínimas de 6,25 hectares, são as mesmas utilizadas no Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônia por Satélite ( Prodes) que identifica anualmente o desmatamento na região.  
 
Nos anos de 2011, 2012 e 2013, foram apontadas áreas de 24.650 quilômetros quadrados (km²), 8.634 km² e 5.434 km², respectivamente, que apresentam algum estágio de degradação na Amazônia Legal. As análises dos projetos permitem identificar o quanto da degradação florestal de determinado ano é convertida para corte raso nos anos seguintes.  
 
Os projetos Degrad, o Prodes e de Sistema de detecção de mapeamento em tempo real ( Deter) formam um conjunto de sistemas para monitoramento e acompanhamento do estado da floresta.  
 
O Deter utiliza imagens que possibilitam detectar desmatamento com área maior que 25 hectares e servem apenas para orientar a fiscalização em terra. Nos meses de junho e julho, 1.264 km² de áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia foram identificados pelo Deter.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com Agência Brasil

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia