Oficina de Pais e Filhos é instalada em faculdade de Catanduva

  • Postado dia 19 de Agosto de 2014

O Tribunal de Justiça de São Paulo, em colaboração com as Faculdades Integradas Padre Albino (Fipa), em Catanduva, promoveu a Oficina de Pais e Filhos, coordenada pela juíza da Vara da Família e das Sucessões da comarca, Renata Rosa de Oliveira. A previsão é que a oficina seja realizada, no mínimo, uma vez ao mês.
         
 
O projeto, criado pela juíza de São Vicente Vanessa Aufiero da Rocha e replicado em outros juízos, é direcionado a pais, mães e filhos que atravessam a difícil fase de um divórcio ou a dissolução da união estável. A oficina oferece atendimento a casais e um espaço para reorganização familiar, onde crianças e adolescentes encontram um local para falar sobre seus sentimentos e expectativas em relação a esse momento novo em suas vidas e quanto aos pais, refletir sobre comportamentos e atitudes em relação aos filhos.
         
 
Não há necessidade de haver processo ou o casal estar em processo de separação para participar da oficina. Também podem participar casais já separados, divorciados ou não casados. “Nada do que é falado na oficina vai para o processo”, ressaltou a juíza Renata de Oliveira.
         
 
As famílias são intimadas por oficial de Justiça a participar da Oficina, porém qualquer interessado pode participar, devendo comparecer à Vara da Família, no Fórum de Catanduva, ou no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc), localizado na Rua Seminário, 281, bairro São Francisco.
         
 
Na ocasião, o juiz diretor do fórum e coordenador do Cejusc, José Roberto Lopes Fernandes, agradeceu à instituição de ensino pela colaboração. O coordenador do curso de direito das Fipa, Luís Rossi, expressou gratidão ao Poder Judiciário pela confiança e lembrou que a iniciativa possui a mesma ideologia do Cejusc – a mudança de mentalidade que acarreta a pacificação de conflitos.
         
 
Participaram também da solenidade o desembargador Candido Pedro Alem Júnior, representando o TJSP; os magistrados de Catanduva Antonio Carlos Pinheiro de Freitas, Alcêu Corrêa Junior e Ligia Donati Cajon; o promotor de Justiça Carlos Macayoshi de Oliveira Otuski; o presidente da OAB-Catanduva, Marcos César Gussoni, e o professor e secretário-geral das Fipa, Sidnei Stuchi.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com TJSP

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia