CREA-MG deve nomear candidata aprovada em concurso, mesmo em crise financeira

  • Postado dia 07 de Julho de 2014

Candidato aprovado em concurso público dentro do número de vagas previsto no edital tem direito líquido e certo à nomeação, conforme já entendeu o Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do RE 598.099/MS. Com a aplicação desse entendimento, a 6.ª Turma do TRF da 1.ª Região manteve sentença de primeira instância que assegurou a nomeação de candidata aprovada dentro do número de vagas no certame promovido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (CREA-MG).
 
O Conselho recorreu da sentença ao fundamento de que existe a possibilidade de não nomeação de candidato aprovado dentro do prazo de validade do concurso desde que haja um argumento plausível capaz de afastar o direito subjetivo do candidato. No caso, o argumento do CREA-MG foi o de que deixou de nomear a candidata por causa “de severa crise econômica, a qual reduziu de imediato a receita desta autarquia, desde o início de 2009”.
 
O argumento não foi aceito pela 6.ª Turma. “Na hipótese, o apelante não logrou êxito em comprovar os motivos (crise financeira) em que se fundam a recusa em nomear a candidata aprovada dentro do número das vagas previsto no edital do certame. Ressalte-se que, na abertura de concurso público deve haver, necessariamente, planejamento com prévia dotação orçamentária para atender às projeções de despesa com o pessoal pretendido”, diz a decisão.
 
A Turma ainda destaca que, de acordo com o STF, a obrigação de nomear os aprovados dentro do número de vagas do edital deve levar em consideração a possibilidade de situações excepcionalíssimas, quando restarem comprovados os aspectos de superveniência, imprevisibilidade, gravidade e necessidade, o que não é o caso dos autos. A decisão foi unânime. Processo n.º 0062658-24.2012.4.01.3800/MG

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com TRF1

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia