Projeto Albatroz lança livro e vídeo sobre preservação de aves marinhas

  • Postado dia 23 de Setembro de 2013

Rio de Janeiro - O Projeto Albatroz, que luta pela preservação das aves marinhas do litoral brasileiro, está lançando um livro e um vídeo que contam a história dessa iniciativa ambiental que no final de 2013 completará 23 anos. O material reúne imagens e relatos de pesquisadores, pescadores e parceiros do Albatroz, que tem patrocínio da Petrobras e integra desde 2012 a Rede Biomar, da qual também fazem parte os projetos Tamar, Baleia Jubarte, Coral Vivo e Golfinho Rotador.

Tanto o livro, de 132 páginas, quanto o vídeo, com 38 minutos de duração, abordam as principais características do comportamento dos albatrozes e petréis. O material também apresenta os principais marcos da trajetória do projeto, como a criação do Instituto Albatroz, a entrada do Brasil no Acordo Internacional para a Conservação de Albatrozes e Petréis, a parceria com a Petrobras, que data de 2006, e o desenvolvimento de tecnologias para diminuir a captura das aves pelos barcos de pesca.

Segundo a coordenadora do projeto, Tatiana Neves, as iscas jogadas pelos pescadores em alto-mar são a principal ameaça de extinção das duas espécies no país. “Estimativas mostravam que 10 mil aves eram mortas todo ano no Brasil. Elas acabavam engolindo as iscas com anzol, e, desse modo, acidentalmente eram fisgadas e arrastadas para o fundo do mar. Os pescadores não tinham como salvar as aves e também acabavam tendo prejuízo na pesca”, diz Tatiana, também responsável pela publicação do material.

Para ajudar a reverter o quadro, o projeto encontrou na parceria com os pescadores a principal solução para desenvolver medidas eficazes de preservação das aves. Uma delas é o toriline, equipamento que consiste em dois postes fixados na popa da embarcação, dos quais partem, presas em linhas de náilon, fitas coloridas que ajudam a afugentar as aves para longe dos anzóis.

Os pesquisadores do Projeto Albatroz desenvolvem suas atividades nas cidades de Santos e Guarujá (SP), Itajaí e Navegantes (SC), Itaipava (ES) e Rio Grande (RS). Segundo a Petrobras, nos últimos anos o projeto atendeu a 254 pescadores, além de 5 mil crianças e 235 professores de escolas públicas e privadas, com atividades de educação ambiental.

A Rede Biomar, da qual o Albatroz faz parte, resulta do Planejamento Estratégico Integrado de Conservação da Biodiversidade Marinha, criado em 2007 pela Petrobras, em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Ministério do Meio Ambiente. O planejamento tem como linhas de atuação a ampliação do conhecimento científico sobre as espécies, a inclusão social das comunidades que vivem nas áreas de atuação dos projetos e programas de educação, entre outras ações.

O livro está disponível em livrarias de São Paulo, Santos e do Rio de Janeiro e o vídeo pode ser acessado no Youtube.

Fonte: Da redação (Justiça em Foco), com Paulo Virgilio/ABr.

Relatar Conteúdo Impróprio ou Comunicar Erro

Indique a um amigo     Imprimir notícia