Projeto de expansão de Escolas Cívico-Militares deve ser descentralizada, afirma Capitão Davi



Brasília - A principal proposta para a Educação do Governo Federal é a implementação das escolas cívico-militares. Com a adesão de 14 estados e do Distrito Federal ao modelo de gestão compartilhada, ficam 12 estados de fora e milhares de municípios excluídos dessa política pública que pode ser uma alternativa para melhorar a educação básica no país.
 
Para o Capitão Davi, especialista no assunto, o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) possui um desenho muito centralizado que exclui as municipalidades de estados que não aderiram ao projeto. A expansão, segundo o capitão, deveria ser descentralizada e requerida diretamente pelos municípios, após análise dos gestores públicos sobre a viabilidade da implementação do modelo.
 
Outro ponto estratégico está na relação entre a comunidade e a escola, fundamental para o sucesso do modelo. Para o Capitão Davi, a implementação das escolas cívico-militares deve ter a concordância da comunidade, mas não pode ser um requisito para a implantação. A análise da necessidade deve ser feita pelo gestor público, por uma equipe técnica e, posteriormente, informada para a comunidade.
 
Embora os pais e a comunidade devam participar de todo o processo, não cabe a eles escolher se uma escola deve ou não mudar sua forma de gestão, afinal ela é um bem público que permanecerá por décadas e que irá atender milhares de outros alunos. Dessa forma, essa opção deve ser feita pela gestão local, pelas secretarias de educação dos municípios e pelos gestores públicos qualificados para tomar essas decisões.
 
Pelo fato de as escolas cívico-militares virarem referência em educação, disciplina e desempenho, a demanda pela implementação desse programa é altíssima em todo o Brasil. O Capitão Davi é um dos responsáveis pela difusão desse modelo de ensino que visa aliar o fortalecimento de valores “humanos, éticos e morais”, melhorar o processo de ensino e aprendizagem e aperfeiçoar a infraestrutura e organização das escolas.
 
Para tanto, o Capitão Davi sugere breves melhorias na atual condução dessa importante política pública nacional para que nenhuma cidade fique de fora.